Az Isenções –  Imagem meramente ilustrativa

Q5 PRESTIGE 2.0 TFSI S TRONIC para PCD

Q5 PRESTIGE 2.0 TFSI S TRONIC para PCD: detalhes, design, versões, motores (e equipamentos)

O Audi Q5 PCD surgiu em 2008 como o segundo SUV da marca de luxo alemã, sendo que o primeiro é o Q7, apresentado em 2005. Como um modelo intermediário, o utilitário esportivo teve um papel importante no aumento da participação da empresa nesse mercado.

Feito em diversos países, o Audi Q5 PCD chegou também ao Brasil, mas, assim como o Q7, teve apenas papel de coadjuvante até a segunda geração, que passou a ser importada do México e com maior competitividade, assim como novidades que o colocaram em evidência dentro do portfólio nacional da Audi.

Mas não foi apenas isso, trouxe uma importante versão blindada. Na China, por exemplo, foi o primeiro SUV alongado da Audi, uma exigência do mercado local. Aliás, a segunda geração do Audi Q5 é feita exclusivamente em San Jose Chiapa, norte do México, de onde é exportado para todo o mundo, exceto China.

Na anterior, o Audi Q5 PCD foi feito em diversos lugares. Partindo de Ingolstadt, Alemanha, ele foi enviado para produção em Kaluga (Rússia), Changchun (China), Aurangabad (Índia) e Shah Alam (Malásia).

Neste artigo, contaremos a história desse interessante utilitário esportivo de luxo vendido no Brasil.

Q5 PRESTIGE 2.0 TFSI S TRONIC para PCD – Primeira Geração

Ele surgiu como um interessante conceito chamado Audi Cross Cabriolet em 2007, mas na realidade se converteu em um SUV bem familiar. Menor que o Q7, o Audi Q5 PCD estreou no Salão de Pequim de 2008 e já com mostras de se tornar um carro global. Um fato peculiar chama atenção no SUV de luxo, sua plataforma.

Embora a base modular MQB faça sucesso hoje no mundo, a Volkswagen como grupo iniciou o projeto de modularização dos kits de montagem em 2007 com a MLB. Depois do A5 e do A4 daquela época, foi a vez do Audi Q5 PCD receber a Modularer Längsbaukasten. Então, não há uma plataforma “PQ” da VW sob o utilitário esportivo.

Apenas em 2013 é que a VW conseguiu fazer o mesmo com os carros de motor transversal, gerando a MQB. A atual MLB é chamada MLB Evo. Em realidade, não se trata de fato de uma plataforma (assoalho, quadros e travessas), mas um sistema de modularização de peças e componentes, que podem ser montados em diversos modelos da mesma forma.

Com motor e transmissão em longitudinal, o Audi Q5 PCD surgiu com 2,807 m de entre-eixos, um bom espaço para gerar conforto e espaço a bordo, tendo 4,639 m de comprimento, 1,880 m de largura e 1,650 m de altura. Seu peso girava em torno de 1.850 kg.

Equipado com suspensão dianteira com braços duplos no lugar da McPherson tradicional, o Audi Q5 PCD era diferente também por ser um carro conceitualmente de tração dianteira, como o Audi A4 ou A5 de qualquer geração, mesmo que estes também tenham motor/câmbio em longitudinal.

O motivo é que o câmbio longitudinal do Audi Q5 envia sua força por eixo cardã até o diferencial traseiro, tendo uma caixa de transferência com cardã menor para um diferencial dianteiro, fixado sob o próprio câmbio, ligando as rodas dianteiras.

Assim, o SUV luxuoso já vinha com tração permanente nas quatro rodas (Quattro). A suspensão traseira é multibraço nas duas gerações. Dessa forma, o Audi Q5 surgiu para deleite de quem não queria ter um utilitário esportivo de sete lugares e porte grande, como o Q7.

Q5 PRESTIGE 2.0 TFSI S TRONIC para PCD – Design

Menos funcional do que o Q7, porém, mais elegante, o Audi Q5 PCD surgiu bem menos conservador, com uma atraente suavidade no desenho da área envidraçada lateral, onde as colunas C possuíam vigias levemente curvas, que davam fluidez ao SUV, reduzindo assim seu porte e gerando uma leveza visual.

Era quase um cupê numa comparação com o Q7, bem mais formal e familiar. A frente contava com faróis duplos de xênon com luzes diurnas em LED e repetidores de direção inferiores. A grade quase em “V” tinha acabamento cromado e frisos verticais que marcavam os SUVs da Audi.

O para-choque simulava três partes, sendo duas com faróis de neblina circulares. O capô não era muito longo e a área envidraçada era boa. Tinha maçanetas vazadas, barras longitudinais de alumínio no teto, rodas de liga leve que iam de 16 até 19 polegadas, bem como apenas dois vincos pronunciados nas laterais e outro suave envolvendo a base das janelas.

Assim como no Q7, o Audi Q5 PCD também apostou em lanternas presas à tampa do porta-malas. Neste SUV, elas eram de LED e tinha um desenho quase triangular. Por ser pesada, a tampa vinha com acionamento elétrico para abrir e fechar. Esta tinha ainda boa vigia e defletor de ar no teto.

Abaixo do corte sobre a placa, o para-choque adicionava um conjunto de luzes de neblina, ré e refletores. A parte inferior do protetor era preta e tinha escape duplo. Nas versões com S line, o Audi Q5 tinha mais partes dos para-choques na cor do carro, assim como escapes separados, rodas esportivas e mais cromados.

Por dentro, o Audi Q5 da primeira geração era bem luxuoso e chamava atenção pelos detalhes, como volante em couro com centro volumoso, cluster analógico com mostradores de design esportivo e multimídia numa tela bem isolada. Com túnel elevado, o modelo tinha alavanca tradicional na versão automática, bem como botão de partida e freio eletrônico de estacionamento.

O ar condicionado dual zone tinha displays separados e não integrados à multimídia, sem touchscreen. O sistema de som tinha CD player e comandos físicos abaixo da multimídia.

Na atualização de meia vida em 2012, o Audi Q5 PCD passou a dispor de slots de DVD/CD e entradas SD no mesmo local, ficando os comandos físicos de navegação e mídia (tela sem touch) atrás da alavanca no túnel. Nessa época, o volante passou a ter 4 raios.

Com bom espaço interno, o Audi Q5 anterior tinha bancos em couro e extensores de assento em algumas versões, assim como ajustes elétricos e aquecimento dos mesmos. O teto solar padrão e o panorâmico também estavam disponíveis, enquanto o porta-malas tinha 540 litros.

O acabamento mesclava partes em couro, soft e materiais especiais, que podiam ser aço escovado, alumínio ou madeira. A impressão real de luxo estava por todo o ambiente, sendo mais elegante que as atuais formas retilíneas do atual. O Audi Q5 tinha navegador GPS, opção de sistema de som premium Bose e controle de cruzeiro adaptativo, acionado na alavanca na coluna de direção.

A atualização de 2012, trouxe a multimídia MMI com sistema de navegação Plus. Também passou a integrar dispositivos iOS da Apple e foram feitos pequenos ajustes no visual geral. As lanternas também tiveram as luzes reposicionadas. A parte mecânica também sofreu mudanças.

Motores

Dos quatro motores originalmente oferecidos no Audi Q5 PCD, que chegou ao Brasil em 2009, dois vieram para cá. Oferecido nas versões Attraction e Ambition, o SUV tinha no primeiro o motor 2.0 TFSI (EA888) com 214 cavalos a 4.300 rpm e 35,7 kgfm a 1.500 rpm.

Era equipado com transmissão automatizada de dupla embreagem banhada a óleo S tronic com sete marchas. Pesando 1.740 kg, o Audi Q5 com motor pequeno ia de 0 a 100 km/h em 7,2 segundos e tinha máxima de 222 km/h, fazendo com gasolina apenas, ruins 7,1 km/l na cidade e 8,5 km/l na estradas, números péssimos que evidenciavam seu enorme peso.

A autonomia teórica era de 637 km graças ao tanque de 75 litros. Entretanto, a versão mais desejada era a Ambition, que tinha o motor V6 3.2 FSI da própria Audi, que entregava 269 cavalos a 6.500 rpm e apenas 33,7 kgfm a 3.500 rpm. Ou seja, tinha menos torque que o 2.0 TFSI.

Sem turbo, o Audi Q5 PCD V6 não fazia muito mais em comparação ao 2.0, indo de 0 a 100 km/h em 6,9 segundos e com final de 234 km/h. Ou seja, era mais a imponência do propulsor maior para dar mais status, algo que atualmente não conta mais.

No entanto, mesmo 55 kg mais pesado, essa opção era mais econômica (mais um motivo para levar para casa), fazendo os mesmos 7,1 km/l na cidade e 10,1 km/l na estrada. O Audi Q5 PCD V6 3.2 FSI também tinha a mesma caixa S tronic e a tração permanente nas quatro rodas, que variava a força entre os eixos e de roda em roda.

No facelift de 2012, o 2.0 TFSI passou a ter 225 cavalos e 35,7 kgfm, enquanto um novo V6 3.0 TFSI vinha com compressor volumétrico e 272 cavalos a 6.500 rpm, mas com 40,8 kgfm a 2.150 rpm.

A dupla de motores passou a usar o câmbio automático Tiptronic de 8 marchas com conversor de torque, mantendo a tração Quattro. Com isso, o Audi Q5 baixou o tempo até 100 km/h para 7,1 segundos, mas manteve a final.

O V6 3.0 levou o SUV de 0 a 100 km/h em 5,9 segundos, mas o consumo piorou muito. Lá fora, teve uma versão híbrida com 245 cavalos e 48,8 kgfm.

Fonte: Noticias Automotivas

 

Conheça também:

https://www.azisencoes.com.br/isencao-pcd-audi/

https://www.azisencoes.com.br/isencao-pcd-bmw/

https://www.azisencoes.com.br/isencao-pcd-chery/

https://www.azisencoes.com.br/isencao-pcd-chevrolet/

https://www.azisencoes.com.br/isencao-pcd-citroen/

https://www.azisencoes.com.br/isencao-pcd-fiat/

https://www.azisencoes.com.br/isencao-pcd-ford/

https://www.azisencoes.com.br/isencao-pcd-honda/

https://www.azisencoes.com.br/isencao-pcd-hyundai/

https://www.azisencoes.com.br/isencao-pcd-jeep/

https://www.azisencoes.com.br/isencao-pcd-kia/

https://www.azisencoes.com.br/isencao-pcd-land-rover/

https://www.azisencoes.com.br/isencao-pcd-mercedes-benz/

https://www.azisencoes.com.br/isencao-pcd-mitsubish/

https://www.azisencoes.com.br/isencao-pcd-nissan/

https://www.azisencoes.com.br/isencao-pcd-peugeot/

https://www.azisencoes.com.br/isencao-pcd-renault/

https://www.azisencoes.com.br/isencao-pcd-toyota/

WhatsApp chat