Espondilite Anquilosante

Espondilite Anquilosante

Espondilite Anquilosante pode dar o direito às isenções

Espondilite Anquilosante pode dar o direito às isenções de impostos na compra de veículos 0 km.

 

O que é Espondilite Anquilosante: Diagnóstico, Sintomas e Tratamento

​​​A doença, que costuma começar com dor nas costas e evoluir para incômodos em várias articulações, é crônica. Mas a boa nova é que ela pode ser controlada.

Diferentemente das dores comuns, que ocorrem durante a realização de algum esforço, nessa condição o incômodo aumenta enquanto a pessoa está descansando”, aponta Marcelo Pinheiro, reumatologista e Coordenador de Comissão de Espondiloartrites da Sociedade Brasileira de Reumatologia (SBR).

Tudo começa com uma dor persistente, por mais de um mês, acompanhada daquela sensação de rigidez matinal. O incômodo geralmente surge primeiro na região lombar, mas pode afetar até o pescoço e as nádegas, além de outras articulações, como quadril, joelhos e tornozelos.

Um dos pontos que mais chama a atenção na espondilite é que ela acomete principalmente pessoas jovens, entre os 20 e 40 anos. Porém, os motivos não estão bem esclarecidos.

Sabe-se que há um marcador genético envolvido, mas ele não é determinante em todos os casos. Essa molécula é o antígeno HLA-B27, encontrado em 10% da população mundial. No entanto, a incidência da espondilite anquilosante fica em torno de 1%.

 

Tratamento da Espondilite Anquilosante

Como a doença causa dores fortes e compromete a mobilidade, pode atrapalhar muito a vida. Tanto que, antes dos remédios modernos, os pacientes até se aposentavam precocemente.

A boa notícia é que vários indivíduos não passarão por esse sofrimento se forem bem atendidos, pois a doença pode entrar em remissão.  Remédios geralmente conseguem controlar a situação, mas devem ser associados com exercícios específicos de fortalecimento muscular, alongamento e atividades aeróbicas. Também é vital ficar longe do cigarro, ligado a uma piora dos sintomas.

Os remédios mais empregados hoje são os imunobiológicos, que atuam bloqueando a inflamação constante, provocada pela espondilite. Como ela é crônica, o uso de fármacos geralmente é prolongado.

Ocorre que o diagnóstico precoce faz toda a diferença pois, sem o tratamento, a doença evolui para uma calcificação da coluna. E quando isso ocorre, os movimentos ficam permanentemente limitados.

Como o quadro pode se confundir com outras condições, a SBR calcula que o diagnóstico correto demore cerca de cinco anos para acontecer.

 

Diagnóstico

Além da dor, a espondilite às vezes vem acompanhada de outros sintomas. A pessoa pode ter inflamações em outros lugares, como nos olhos, que ficam constantemente vermelhos, uma situação chamada de uveíte.  Ou manifestar a colite, quando há alterações no intestino que provocam diarreia, constipação e flatulências.

Doença que frequentemente anda junto com essa enfermidade é a psoríase, um problema de pele por trás de placas que descascam e coçam. Se esses indícios se acumularem, procure um reumatologista, que é o médico mais indicado para tratar a espondilite anquilosante.

O diagnóstico é comprovado através de exames de imagem, como a ressonância magnética – a inflamação constante também aparece em testes de sangue específicos. Ao suspeitar da doença, o profissional deve solicitá-los.

 

Fonte: Ministério da Saúde